Segurança da informação e os meios de proteção


A internet tornou-se uma ferramenta essencial na vida da população mundial, através dela, ocorre a circulação de milhões de informações na forma de bits e bytes, diariamente. Informações dos mais diferentes segmentos, como notícias, tutoriais, produtos e opiniões.

Isso tudo está disponível na Web e, justamente por isso, a segurança da informação se faz cada vez mais necessária para evitar que informações sigilosas sejam compartilhadas ou até mesmo sequestradas por cibercriminosos. Se dados sensíveis de pessoas físicas são visados pelos cibercriminosos, quando pensamos em grandes empresas, com milhares de dados sigilosos, temos que ter em mente que a segurança dessa informação deve ser elevada.

De acordo com um relatório emitido pela empresa norte-americana Tenable, em 2021 ocorreu o vazamento de mais de 40 bilhões de dados confidenciais no mundo inteiro. Já no Brasil, especula-se que o número de dados sigilosos, vazados ou acessados indevidamente, ultrapasse os 815 milhões.

Então, por esses e outros motivos, o tema segurança da informação, tem sido muito explorado pelas empresas, pois, constantemente estão em busca de mecanismos e soluções que mantenham suas informações protegidas de eventuais ataques cibernéticos e/ou ações fraudulentas.

No artigo de hoje, veremos o que é segurança da informação e as principais ferramentas utilizadas para os dados protegidos. Boa leitura!

Mas afinal, o que é segurança da informação?

O termo segurança da informação é usado para se referir à defesa de dados. Garante que somente pessoas autorizadas tenham acesso a computadores, dados e redes, garantindo que todas as informações mantenham sua integridade, confidencialidade, disponibilidade e autenticidade.

Dessa forma, muitas práticas podem ser aplicadas aos processos da sua organização, como métodos de autenticação e controles de acesso, onde as organizações buscam provar que usuários, funcionários, parceiros ou outros são realmente quem dizem ser.

A segurança da informação é uma importante aliada para uma empresa, pois é responsável por impedir que qualquer pessoa distribua indevidamente dados sobre vendas, margens de lucro, concorrentes e muito mais. Em um mundo onde várias tarefas são executadas simultaneamente e e-mails confidenciais podem ser enviados com um único clique.

Nesses casos, a segurança da informação possibilita o desenvolvimento de políticas e métodos para o fluxo de dados confidenciais controlados pelo departamento de tecnologia da informação (TI) de uma empresa. Muitas vezes, os programas são instalados para garantir que o computador seja usado apenas para fins de trabalho.

Sendo assim, podemos dizer que em uma empresa, a segurança da informação nada mais é do que as políticas, processos e métodos que devem ser utilizados para manter o fluxo de dados e informações seguro e controlado, evitando que pessoas indesejadas utilizem ou pelo menos acessem essas informações.

Ter um departamento de TI, a chamada tecnologia da informação, é essencial para estar preparado para lidar com segurança da informação. Já existem diversas ferramentas que permitem evitar grandes problemas e garantir a integridade e confidencialidade das informações, o desejo primordial de uma empresa. A informação só está segura quando usuários e profissionais de TI, agem de acordo e adotam a melhor abordagem para evitar riscos futuros.

O que é Firewall?

Um firewall é uma solução de segurança baseada em hardware ou software (mais comum) que, com base em um conjunto de regras ou instruções, analisa o tráfego de rede para determinar quais operações de transmissão ou recepção de dados podem ser executadas. Em tradução livre, firewall atua como uma barreira defensiva.

Sua tarefa, por assim dizer, é basicamente bloquear o tráfego de dados indesejados e liberar o acesso de boas-vindas. Para melhor compreensão, pode-se pensar em um firewall como a portaria de um apartamento: para entrar, é preciso seguir certas condições, como identificação, não carregar nada que possa colocar em risco a segurança.

Nesse sentido, os firewalls podem bloquear uma série de comportamentos maliciosos: o malware usa uma determinada porta para se instalar em um computador sem que o usuário saiba da sua existência, esse malware tem a função de enviar dados confidenciais para a internet, sem permissão.

Mas afinal, como um Firewall funciona?

De modo geral, como mencionado anteriormente, um firewall atua como uma barreira de proteção entre seu dispositivo e uma rede como a internet filtrando cuidadosamente o acesso de fontes não autorizadas ou identificando-as como perigosas e suspeitas.

Ao fazer isso, o tráfego de entrada é cuidadosamentemonitorado para permitir ou bloquear determinados pacotes de dados, a unidade básica de troca de informações. Tudo deacordo com regras de segurança pré-definidas pelo mecanismo de segurança adotado pela empresa.

No entanto, sendo o firewall um dos primeiros mecanismos de segurança virtual criados, surgido no final da década de 1980, desde então traspassou por diversas transmutações e hoje apresenta configurações mais modernos e complexos, que agregam novas funcionalidades para garantir a segurança das informações mesmo diante de ameaças cada vez mais sofisticadas.

A exemplo disso, temos o firewall de gerenciamento unificado de ameaças que são modernos e sofisticados, contando com uma enorme gama de soluções para enfrentar os desafios acerca da segurança da informação, de modo eficaz e promissor, pois se trata de um dos tipos mais completos de firewall em ação.

Basicamente, esse tipo de firewall, realiza o monitoramento do tráfego de dados, desde que uma conexão é iniciada até que ela seja encerada, combinando esse monitoramento com outros recursos, como, por exemplo, antivírus, filtros de conteúdos, controle de acesso a endereços eletrônicos específicos. Promovendo maior segurança aos usuários, além de serem mais simples de instalar no dispositivo, e também fornecem diferentes modelos de relatórios de gerenciamento, disponíveis para uso.

Há também o firewall de próxima geração (Next Generation Firewall), considerada como a evolução mais recente do firewall, apresentando novos recursos e funcionalidades, como, por exemplo, o reconhecimento e controle de aplicativos, análise de tráfego criptografado, inteligência contra ameaças, e principalmente, conta com o recurso de análise profunda de pacotes, ou seja, DPI.

O grande diferencial do firewall de próxima geração é a sua capacidade de ser personalizado. Sendo assim, esse modelo de firewall dá permissão as empresas, que as configure suas próprias regras de segurança de rede, tudo isso manualmente.

Por isso, recomenda-se que esse modelo de firewall seja utilizado por empresas que contam com uma equipe de TI, visto que pode ser um processo um tanto quanto complexo para implementação.

Outro ponto forte desse modelo de firewall, é possuir mais capadas de segurança, promovendo análises mais detalhadas dos pacotes de dados, diferenciando-se dos demais firewalls por conseguir inspecionar o conteúdo e fonte de origem desses pacotes. De modo geral, esse firewall consegue bloquear ameaças mais sofisticadas em tempo real, sendo assim, torna-se mais eficiente e vantajoso para as empresas investir nesse modelo de segurança da informação.

17 visualizações0 comentário