TPM 2.0: Entenda o que é e como ativá-lo para instalação do Windows 11.


Recentemente, a gigante Microsoft anunciou seu novo sistema operacional, o Windows 11, como sucessor do popular Windows 10. Junto ao novo sistema operacional, vem uma lista de pré-requisitos mínimos que o seu computador precisa ter para comportá-lo, de modo que sistema rode como proposto.

Uma das principais exigências como pré-requisito para instalação do Windows 11 é o chip TPM presente nos computadores em sua versão 2.0. No artigo de hoje, vamos abordar sobre esse requisito mínimo para o Windows 11, o chip Trusted Platform Module.

Mas afinal, o que é TPM?

O Trusted Platform Module é uma palavra estrangeira, cuja sua tradução corresponde à Módulo de Plataforma confiável ou simplesmente TPM, podendo ser conhecido também como ISO/IEC 11889111. O TPM é um componente eletrônico, que atua com uma espécie de chip de segurança localizado na placa-mãe ou embutido no processador do computador, esse tipo de chip vem sendo utilizado nos computadores.

O TPM visa aumentar e garantir a segurança do sistema operacional na hora da inicialização, pois segundo a Microsoft, uma das principais funções do chip TPM é gerenciar as chaves criptográficas do sistema operacional de maneira mais eficiente e robusta. Ou seja, o chip garante a segurança do sistema operacional e ainda pode driblar determinados tipos de ataques de segurança que podem ser nocivos ao seu computador.

De modo geral, podemos dizer que o chip TPM atuara de modo a guardar e garantir a segurança de dados sensíveis, tal como chaves de criptografia, através da criação de uma barreira física contra eventuais ações de criminosos com interesse em capturar dados sensíveis do computador.

Quem desenvolveu os chips TPM?

O criador do chip TPM foi o Trusted Computing Group, uma organização responsável por publicar e manter as especificações do chip desde a sua primeira versão em 2006, onde o chip TPM passou a fazer parte dos notebooks.

Qual a função do chip TPM?

Como citamos anteriormente, o componente eletrônico como um chip, foi projetado para oferecer funções relacionadas à segurança baseada em hardwares. Sendo assim, o chip TPM é um processador de criptografia seguro, idealizado para realizar funções criptográficas.

A segurança por trás desse componente eletrônico se dá através dos seus diversos mecanismos de físicos de segurança, tornando-o então, resistente a violações, de modo geral, um software malicioso não consegue violar as funções de segurança deste chip.

Dentre as principais funções do Trusted Platform Module, podemos citar que o mesmo consegue gerar, armazenar e limitar o uso de chaves criptográficas; auxiliar na integridade, executando e armazenando medidas de segurança durante a inicialização do sistema.

Por que a Microsoft exige o TPM 2.0 para instalação do Windows 11?

Quando a Microsoft anunciou o Windows 11 como o novo membro da família dos sistemas operacionais da empresa, muito se especula sobre os pré-requisitos mínimos para a instalação do novo sistema, um desses pré-requisitos é a versão TPM 2.0. Mas afinal, porque a Microsoft exige esse componente?

Bom, a resposta é bem simples sendo dada pela própria desenvolvedora do sistema operacional, o chip TPM é exigido para elevar os índices de proteção de todos os usuários que migrarem para o Windows 11 com mecanismos ao nível de hardware ao invés de garantir segurança somente ao nível de software.

Com o componente ativo, ele faz como que o computador estabeleça barreiras mais eficientes para garantir a segurança do usuário e principalmente do computador de eventuais ataques, sejam eles simples ou mais complexos.

Pensando na segurança, a Microsoft passou a exigir a versão TPM 2.0 para todos os usuários que desejam migrar do Windows 10 para o 11.

Como saber se o meu computador possui TPM 2.0?

Nem todos os computadores possuem o chip TPM ou até mesmo habilitado de fábrica, por isso, é necessário verificar se o seu computador possui o chip habilitado de fábrica ou terá que habilitar o mesmo.

Para realizar a verificação será necessário utilizar a caixa de diálogo de executar comando:

Passo 1: Pressione as teclas Windows + R no teclado, esse comendo será responsável por abrir a caixa de diálogo executar;

Passo 2: Com a caixa de diálogo aberta, digite tpm.msc e pressione o botão entender;

Passo 3: Com o comando anterior, abrirá a página de configurações do módulo de plataforma confiável. Nesta página você poderá verificar o status e as informações do TPM, caso o seu computador o possui ativo de fábrica.

Como ativar o chip TPM 2.0?

Caso o seu computador possua o TPM 2.0 e o mesmo encontra-se desativado, basta seguir os seguintes comandos para ativá-los:

Passo 1: No menu iniciar, busque por configurações ou pressione as teclas Windows + I;

Passo 2: Clique em Atualizações e Segurança;

Passo 3: Feito isso, no canto esquerdo da tela é possível encontrar a opção Recuperação; Passo 4: Utilize a opção Inicialização avançada e clique no botão Reiniciar agora;

Passo 5: Posteriormente, clique em Solução de problemas;

Passo 6: Acesse o menu com Opções Avançadas;

Passo 7: Feito isso, clique no quadro UEFI Firmware Settings;

Passo 8: Para prosseguir, selecione a opção Reiniciar;

Passo 9: Será necessário localizar a Configuração de Segurança. Para isso, é necessário consultar o site do fabricante da placa-mãe do seu computador, visto que as configurações de UEFI podem sofrer variações conforme o fabricante;

Passo 10: Feito isso, selecione a opção para configurações TPM;

Passo 11: Nesta etapa, você poderá ativar o chip TPM, caso o mesmo encontre-se desativado;

Passo 12: Para finalizar, feche as configurações e reinicie o computador para que as alterações realizadas sejam efetivadas.

Caso seu computador possua a versão TPM 2.0 e atenda os outros pré-requisitos exigidos pela Microsoft, ele poderá receber a versão mais nova do sistema operacional Windows.


50 visualizações0 comentário